Moradores se revoltam com abandono de obra da principal Rodoviária de XV, em Belford Roxo

BELFORD ROXO- A impressão que se tem ao circular pela Avenida Joaquim da Costa Lima, uma das mais importantes de Belford Roxo, na Baixada Fluminense, é de total abandono. Falta de iluminação à noite, falta de sinalização, buracos e sujeira margeando toda a via são apenas alguns dos problemas. Avenida é também o endereço de duas das maiores obras prometidas pelo prefeito Dennis Dauttman, que sai do governo após quatro anos (ele já anunciou que não vai disputar a reeleição), sem cumprir nenhuma delas: a nova sede da prefeitura e a reforma do terminal rodoviário do Lote XV.

Das duas, chama atenção o descaso com a que faria maior diferença no dia-a-dia da população: o terminal rodoviário do Lote XV. Orçado em R$ 361.989,72, o projeto já consumiu R$ 246.550,00, segundo o site Transparência Brasil, tendo a última de liberação de recursos, oriundos de convênio com o Governo Federal, em 21 de dezembro do ano passado. O prazo para vigência do convênio vence em setembro próximo.

Com previsão de 120 dias, mas, passados quase três anos a única coisa que se fez foi a retirada dos telhados, deixando os passageiros que utilizam o terminal no relento. Para o início das obras, os comerciantes licenciados foram retirados do local, que foi cercado com tapumes.

Há 15 anos trabalhando no terminal, dona Maria do Carmo Cruz, de 60 anos, não se conforma. “Quando faz sol é um calor danado e quando chove molha tudo. Eles tiraram o telhado, tiraram a gente daqui e prometeram que em quatro meses estaria tudo pronto, mas olha só o que temos. Para voltar, nós retiramos os tapumes. Todo mundo aqui tá tendo prejuízo; os comerciantes, os passageiros e a população”, desabafa.

“A situação aqui tá complicada, a gente tem que esperar o ônibus na chuva e no sol. Só temos as coberturas dos quiosques como abrigo”, conta a comerciária Andréia Moreira, de 44 anos, moradora do bairro Amapá que utiliza o terminal diariamente.

via: Conecta baixada
01/08/2016