Carro oficial de Nova Iguaçu circula sem placa dianteira e com licenciamento atrasado

NOVA IGUAÇU - Um carro da Prefeitura de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, usado no Choque de Ordem, circulava sem a placa dianteira e com o licenciamento anual atrasado há três anos — o último foi feito em 2012. Os funcionários que estavam no veículo notificaram carros por estacionamento proibido e rebocaram uma Kombi.

O advogado Rafael Ogliaruso flagrou as irregularidades na última terça-feira, no bairro Califórnia. Ele disse que os agentes ameaçavam rebocar todos os carros que encontravam. Quando verificou a ausência da placa dianteira e comentou com eles, disseram que só seguiam ordens:

— O veículo chegou e eles colaram adesivos nos carros de moradores, mas vi que o deles estava sem uma placa e fotografei. Fiquei em dúvida se estava legalizado, mas verifiquei que não. Entrei em contato com a PM, que não teve interesse em ajudar.
O último licenciamento de carro oficial da prefeitura de Nova Iguaçu foi em 2012
Foto: Reprodução

O advogado também disse que entrou em contato com a ouvidoria da prefeitura, mas não obteve resposta.

A Prefeitura de Nova Iguaçu informou que a ação foi deflagrada pela Secretaria municipal de Defesa Civil e Ordem Pública a pedido dos próprios moradores. Eles teriam solicitado a remoção de uma Kombi abandonada.

O secretário de Ordem Pública, Luiz Antunes, explicou que o automóvel usado na operação foi doado pelo governo do estado à gestão anterior da prefeitura, que não repassou a documentação. Em relação à falta da placa, ele disse que deve ter sido perdida em um “atendimento difícil’’, mas que tomará providências sobre isso.
Veículo oficial só tinha a placa de trás
— Não posso deixar de atender a comunidade por conta de burocracia — ressaltou o secretário, acrescentando que, mesmo irregular, o veículo continuará sendo usado em emergências.

Segundo o Código Brasileiro de Trânsito, trafegar sem placa e com o licenciamento atrasado são infrações gravíssimas. A punição é multa e apreensão do carro.
Via: Jornal Extra

por: Ana Paula Blower
01/08/2016